E se não der certo? Vamos voltar ao Brasil?

     Claro que não. Porque nós queremos gerir o nosso próprio futuro. Para o bem ou para o mal, queremos ser responsáveis sem ter que pesar sobre os ombros do Brasil e nem ter as decisões do Brasil pesando em nossos ombros.

     O divórcio é legítimo, o desejo de viver independente e responsável é um direito e dever.

     O Brasil vive em crise há mais de cinco séculos. Pernambuco já aguentou tempo demais, agora é hora de andar com os próprios pés.

É importante lembrar que desde 1945, 142 países decidiram tornar-se independentes e NENHUM deles voltou atrás.

     Nenhum país se arrependeu de livrar-se dos grilhões de outro país. O Brasil não quis voltar para Portugal e nem o Uruguai quis voltar para o Brasil, e isso já diz o suficiente.