01 - Estão loucos? Querem começar uma guerra?

 

   O nosso caminho é  pacífico. A nossa proposta é realizar um referendo. Eslovênia tornou-se independente em 14 meses por meios legais e sem guerra. E nós, porque seríamos diferente?

   Nós REPUDIAMOS qualquer organização que use a violência como meios de conseguir seus objetivos.

02 - A polícia e o exército vai intervir contra a população!

 

   Vamos devagar! Há tribunais internacionais para aqueles soldados que se atreverem a fazer atos ilegais. As Nações Unidas monitoram esse tipo de situação e estão prontos para atuar nos tribunais, no caso de o exército vir abusar do seu poder ou realizar atos violentos e ilegais.

   Segundo a Constituição brasileira, o exército não pode ser usado contra o povo brasileiro, ou estaria violando a própria constituição ou admitindo a soberania de Pernambuco. Caso o Brasil venha assumir a soberania e independência de Pernambuco e ainda sim invadir, estará invadindo um país estrangeiro e assim violando acordos internacionais.

3 - Quanto mais riquezas naturais têm um país, maior o potencial de crescimento, certo?

 

   Nem sempre  é assim.  Um levantamento feito pela Organizção para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, a OCDE, mostra que na maioria das vezes o que acontece é exatamente o oposto. É o caso de Taiwan, diz Andreas Schleider, chefe da área de rankings de educação da OCDE no mundo e responsável pelo estudo. Esse país , diz ele, tem que importar até areia, mas apostou na educação para crescer.

 

4- Existem países que realizaram referendos de independência tendo uma constituição que não permitia?

 

       CHECOSLOVÁQUIA - Da Checoslováquia, surgiu a República Checa e a Eslováquia em 1 de janeiro de 1993, através de um referendo pacífico. Ambos Estados tiveram reconhecimento  imediato da counidade internacional. Nenhum lado e nem outro se arrependeu da decisão. Atualmente as duas nações são solidários um com os outros, cada qual cuidado do seu próprio destino. A Contituição da Checoslováquia proibia veemente  a fragmentação do país, igual a contituição brasileira e pasmem, previa até pena de prisão perpétua para quem tentasse separar o país. Não precisou acontecer uma guerra para dividir o país, nem ninguém foi preso por isso.

 

     CANADÁ ( QUEBEC)  - Outro exemplo que vale a pena lembrar, é o do que aconteceu no dia 30 de outubro de 1995. Contra todos os artigos da constituição canadense, que não permitia a separaçao do Quebec, porém foi realizado um plebiscito legalmente, qual a maioria decidiu permanecer no Canadá. Porém não foi preciso ter derramamento de sangue para que isto pudesse acontecer.

 

    SÉRVIA E MONTENEGRO - Em 21 de maio de 2006, houve o referendo pacífico entre o país qual conhecíamos como "Sérvia e Montenegro", separando as duas nações de maneira pacífica. Lembrando ais uma vez que a Constituição Federal proibia a separação.

 

    SUDÃO - Em 2011, outro exemplo veio à tona. O referendo sobre a independência do Sudão do Sul foi realizado entre os dias 9 e 15 de janeiro e decidiu o destino da parte Sul. No dia 9 de julho de 2011, o mundo ganhou um novo país, o Sudão do Sul.

 

   REINO UNIDO - Depois de décadas  de luta, um acordo entre o Reino Unido e a Escócia, contra todos os dispositivos legais que não permitiam a consulta, foi realizado um referendo para decidir o destino da nação de William Wallace. Por fim, os escoceses decidiram permanecer no Reino Unido, porém a democracia foi respeitada sem precisar do uso da violência.

 

* Uma boa parte das informações foi retirada do livro "O Sul é meu país - Celso Deuscher - 2 edição" , reduzida e modificada para adaptar-se ao nosso website.

 

 

 

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now